Otavio Castro // Bom Retiro

Design gráfico para o álbum ‘Bom Retiro’, do músico Otávio Castro.

Para a construção da arte do álbum Bom Retiro, houve uma apropriação de formas puras para representar as iniciais de seu nome, mas também as harmônicas tocadas por Otavio, sendo a diatônica a protagonista de sua carreira e de seu álbum. A proporção e presença das formas estão diretamente ligadas à construção musical do álbum. Também pode-se encontrar representações de ressonâncias sonoras em repetições tipográficas que aparecem com leveza em contornos.

A arte final é resultado de um processo co-criativo de alguns meses feito diretamente com o músico e com a diretora artística do projeto musical, Maria Silvia Siqueira Campos. Durante o processo, vários caminhos foram abertos e em cada um deles houve um aprofundamento maior na música de Otavio, para assim chegarmos em algo que sintetizasse a explosão de sons, cores e direções que são percebidas em suas notas e forma de tocar.

A história musical de Otavio Castro se confunde com o desenvolvimento de técnicas inovadoras nas harmônicas, principalmente na harmônica diatônica (popularmente conhecida como a gaita de blues), tendo cunhado o termo “cromatismo na harmônica diatônica”, técnica esta que permite a execução de todas as músicas utilizando tão somente uma harmônica afinada em dó (C) para todas as tonalidades.

Otavio é um dos únicos no mundo a praticar a técnica, que ainda não é tão difundida por ser extremamente desafiadora. Leciona aulas no Rio de Janeiro para aqueles que buscam se aprofundar nela.